Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

Tecnologia Achix
Busca
Busca Avançada
Entrar | Não é cadastrado?
Você está em: Início » Textos » Livro “A Câmara Clara”

Textos

Livro “A Câmara Clara”

Em sua Obra intitulada “A câmara clara”, Roland Barthes trata da fotografia muito além do que podemos nos basear. O faz com propriedade dando exemplos e analisando todas as nuances e especificidades que a fotografia apresenta. Termos como Spectum e Operator são usados com a finalidade de esclarecer o leitor acerca do ambiente em que o botão disparador é acionado assim como o objetivo da peça em questão e sua relação temporal com o momento em que foi criada.

Impressiona a aplicabilidade que Roland expõe sobre as faces da fotografia, sendo uma sensata, em que apenas há a observação da foto de forma direta e simples, e outra face chamada de louca, em que toca mais profundamente o observador. Esta última é exemplificada com lembranças, esclarecimentos, diferenças e nostalgia. Visto que para o escritor a sua própria concepção de vida passa pela visão pessoal de fotos que o permite uma aproximação quase que sensorial ao momentos em que tal imagem foi captada por sua objetiva há muito tempo.

A fotografia em si também é apresentada como ilusória em muitos momentos e assim a ética é posta em causa, pois o contexto, a forma e o lugar em que qualquer foto foi criada apresenta um momento que morreu e se foi. Chama muito a atenção outro segmento questionado pelo autor que é a adaptação da foto para o cinema e para as outras formas de arte já que os objetivos traçados pela produção cinematográfica diferem dos apresentados artistas vindos de outros segmentos. A ausência de objeto em dados momentos na fotografia assim como sua temporalidade é tratado como um fenômeno momentâneo constituindo-se como uma alucinação provocada no observador. Essa exposição como um movimento fascina e esclarece várias questões acerca da análise de fotografias.

Por fim, a passagem que mais transmite questões novas e por isso apresenta uma visão única da fotografia são seus lados opostos, senão vejamos: Barthes diz que a fotografia é falsa, pois vemos coisas e temos impressões diferenciadas do que presenciamos já que a intitula como construção empírica por cada observador e verdadeiro na questão do tempo, pois aquilo que vemos houve e foi em dado momento. Obra que nos esclarece e aguça nossa curiosidade e mais, modifica a forma como vemos qualquer item fotográfico a partir desta leitura.

Por Jadie Tavares

Documentos anexados

Visualizações: 4.379
Gostou?! Então vote!
  • 0 pessoas votaram Sim
  • 0 pessoas votaram Não

Este conteúdo tem 0 Comentários

Neste espaço não serão permitidos comentários que contenham palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. A equipe do portal iTEIA reserva-se no direito de apagar as mensagens.

Deixe um comentário








Parceiros
Cooperação
Integração
Realização
Patrocínio

Ir para o topo