Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

Tecnologia Achix
Busca
Busca Avançada
Entrar | Não é cadastrado?
Você está em: Início » Jornal iTEIA » Poetas Brasileiros lançam livro na Suíça

Jornal iTEIA

18.03.2013 - 11h23

Poetas Brasileiros lançam livro na Suíça

Duas antologias participam da festa literária: uma de moradores do Calabar e outra com 122 poetas do mundo inteiro

Ascom - Galinha Pulando

ampliar Ilustração de capa: Nilda Lima Graeser
O livro tem textos de 122 poetas do mundo todo

Valdeck Almeida de Jesus participará do 27º Salão do Livro e Imprensa de Genebra (Suíça) e vai lançar, no estande D426, do Varal do Brasil, dentre outros, os livros "Abre a Boca, Calabar" (Capa: Carlos Conrado Spykezem) e "Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus - 2012", com capa de Nilda Lima Graeser. O Salão do Livro acontece no Palexpo, de 1º a 5 de maio de 2013, das 9 às 19 horas, e reúne literatura e imprensa do mundo inteiro. O convite foi feito pala escritora Jacqueline Aisenman, que participa da feira pela segunda vez com um estande da Editora Varal do Brasil. Jacqueline é brasileira e mora em Genebra há mais de vinte anos, sempre envolvida com cultura e literatura. Além de expositora, ela também promove a revista eletrônica Varal do Brasil - literário sem frescura!, que divulga milhares de escritores.

A nova edição do livro "Abre a Boca, Calabar" (Pimenta Malagueta Editora), resultado do concurso literário realizado pela Biblioteca Comunitária do Calabar, foi lançada em 2012 na sede da instituição, em Salvador-BA. Nas edições de 2009 e 2010, o projeto foi idealizado e patrocinado pelo jornalista e escritor Valdeck Almeida de Jesus, que continua incentivando a iniciativa. Em 2012 a publicação recebeu apoio da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), por meio do edital Calendário das Artes. A obra prestigia jovens do bairro Calabar e reúne os 50 autores que participaram das edições anteriores.

Escritores do livro
A edição de 2012 tem poemas de: Amanda Beirão, Ariana Santos Veloso de Jesus, Bruna Santos de Jesus, Caique Neri Brito, Caissa Pita Vasconcelos, Cauan Roque Almeida dos Santos, Crislanda Neves, Eberton de Jesus, Ester da Silva Moraes, Fabio Neves Conceição, Felipe Silva Beirão, Gilson Assis, Iradir Pereira da Silva, Isla Gabriele Santos de Oliveira, Janaina Bonfim dos Santos, Joyce Regia Dias da Silva, Julia Reis Bispo dos Santos, Jussara dos Santos, Kevin Carvalho dos Santos, Keyla Trigueiros Rodrigues dos Santos, Leonardo Conceição, Lucas Santos da Silva, Lucilene Lima Pires, Luís Henrique Beirão Santos, Luís Maurício dos Reis Soledade, Marcos Peralta, Joara Ledoux, Marcos Vinicius, Maria do Carmo Abade Bento, Maria Luiza Lacerda, Mel Oliveira, Milena Borges dos Santos, Nadson Almeida Beirão, Nicolas Dias da Silva, Nubia Trigueiros Rodrigues, Rafael Beirão Dantas, Rafaela Beirão Dantas, Raiane Beirão Dantas, Rayla Bispo Nascimento, Rebeca Trigueiros Rodrigues dos Santos, Robespierre Dantas, Rodrigo Rocha Pita, Samuel dos Santos Moraes, Tacila Cerqueira, Tainá Silva, Talita Trigueiros Rodrigues dos Santos, Tamires Araujo, Tarcisio Trigueiros Rodrigues, Tayná Trigueiros Rodrigues e Wesley dos Santos Lopes.

PRÊMIO VALDECK ALMEIDA
O livro contém poemas de 122 poetas do mundo inteiro, a maioria de brasileiros que participaram do concurso "Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus 2012". A ideia do concurso surgiu em 2005, por iniciativa dO jornalista e escritor Valdeck Almeida, que escreve desde os 12 anos de idade e só conseguiu publicar o primeiro livro aos 39 anos. O projeto tem apoio do Plano Nacional do Livro e Leitura, que divulga a iniciativa no site oficial. O núcleo baiano da União Brasileira de Escritores-UBE, também dá apoio de divulgação ao projeto.

A edição 2012 traz poemas de autores brasileiros e poetas do Japão, Suíça, Inglaterra, Estados Unidos e Portugal. Os dez primeiros colocados foram 1º - Vai, Carlos, vai ser Drummond na vida (Ana Claudia de Souza de Oliveira); 2º - Memórias póstumas de Quincas Borba (Edweine Loureiro); 3º - Vida dura (Éber Sander); 4º - Um desconhecido no canto da sala (Simone Pessoa); 5º - Um Brasil apaixonado por futebol (Arai Terezinha Borges dos Santos); 6º - Monólogo da solidão (Nubia Estela); 7º - Lembranças (Renata Paccola); 8º - Delírios de um Poeta em Desamor (Rossandro Laurindo); 9º - O devorador de livros (Ana Lucas); 10º - É assim, Fulano (Flávia Brito). Os jurados escolheram, também, menções honrosas: Incubus (Ana Claudia de Souza de Oliveira); Crônica de um Fygura (Nádia da Rocha Ventura); O amor de Cler (Expedita Gomes de Araújo); A cigarra e o poeta (Zelito Magalhães); O Macondo de Gabriel García Márquez (Viviana Carolina Mendez Rocha Podlyska); Copa 2014 no país de Jorge Amado (Terezinha Santos de Amorim); A Realidade (Sandro Sussuarana); A intenção (Osmar Santos); A Cidade dos Errados (Marcelo de Oliveira Souza); A menina do raio de sol (Mano Kleber). A lista completa de todos os selecionados está neste link http://www.galinhapulando.com/visualizar.php?idt=3983461

Além dessas duas obras, o jornalista Valdeck Almeida também participa da antologia Varal Antológico - Vol. 3, que traz poemas de escritores do Brasil, Europa e África. No livro constam textos de Clara Machado, Deucélia Macieira, Dulce Rodrigues, Dyandreaia Portugal, Eder Roberto Dias, Gorete Newton, Irma Galhardo, Jan Bittencourt, Jania Souza, Jô Ramos, Julien André, Leni André, Leonia Oliveira, Luiz Carlos Amorim, Lúcia Amélia Brüllharrd, Marcos Assunção, Paulo Levy, Roselis Batistar, Saskia Brígido, Silvia Rita Souza, Sonia Medeiros Imamura, Tâmara Ramos e Valdeck Almeida de Jesus. Valdeck também fez o prefácio e destaca: A ideia de um Varal me remete às lembranças da vida pacata de uma cidade do interior, onde as pessoas lavam as roupas na beira de um rio, colocam para “quarar”, processo de branqueamento, usando ou não material químico. Quem não tem acesso a água sanitária ou produto equivalente, que limpa mais rápido, simplesmente ensaboa e esfrega as vestes e colocam sob o sol por um tempo, até que a sujeira fique mais fácil de sair. Só depois do processo de ‘quaramento’ é que os trajes voltam à água para enxágue e, por fim, são colocadas no varal para secar. Todo esse processo é bem primitivo, primário, realizado, na maioria das vezes em conjunto, por donas de casa, que aproveitam para interagir, contar histórias, ouvir queixas e novidades, cantar músicas aprendidas na infância, fazer circular as informações, sem a pressa do sistema capitalista, mecanicista, industrial, mercenário e desumanizador.

Fonte: http://www.recantodasletras.com.br/redacoes/4193140

Este conteúdo tem 0 Comentários

Neste espaço não serão permitidos comentários que contenham palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. A equipe do portal iTEIA reserva-se no direito de apagar as mensagens.

Deixe um comentário








Parceiros
Cooperação
Integração
Realização
Patrocínio

Ir para o topo